Monção & Melgaço
Monção & Melgaço

Origem & Destino

A personalidade e o carácter do Alvarinho de Monção e Melgaço formaram-se aqui: no Noroeste da Península Ibérica. Neste canto de Portugal ele nasceu e cresceu, antes de qualquer registo escrito.





 

Temos de recuar até à década de 30 do século XX para vermos registado o Alvarinho de Monção e Melgaço. Foram muitos os anos em que sua identidade se foi afirmando, contribuindo profundamente para mudar o modo como estas terras se desenvolveram. A sua personalidade e carácter são tão marcantes como a terra que lhe dá a origem.

Mas não ficou por aqui. O nome Alvarinho chega além fronteiras, indo de boca em boca até outras latitudes e longitudes, onde é muito falado e apreciado.

A origem do Alvarinho: entre o rio e a montanha.

A presença do Alvarinho de Monção e Melgaço estende-se desde o vale do Rio Minho e dos seus afluentes, subindo na meia encosta das montanhas, ultrapassando os obstáculos do terreno e da altitude.

Continua habituado à pouco influência do mar e prefere a amplitude térmica na maturação com dias quentes e noites frias que protegem os aromas e persistência do sabor. Jovem ou mais adulto este é um Vinho Verde inesquecível que preserva sempre o seu carácter ao longo dos anos.

No seu terroir, o Alvarinho criou vários estilos de vinhos, espumantes e aguardentes. A todos emprestou a sua personalidade, conjugada com o saber-fazer das suas gentes. O Alvarinho de Monção e Melgaço faz parte da família alargada e única dos Vinhos Verdes.

 

Origem & Carácter

Quis o destino que o Alvarinho de Monção e Melgaço se apaixonasse pela nossa natureza, e crescesse nas noites frias de inverno e no calor dos dias de verão do Noroeste de Portugal.

Quis o tempo que as suas raízes germinassem nas gentes da região, de quem herdou a vivacidade, a persistência e o orgulho na sua terra.

Ao Alvarinho de Monção e Melgaço toda a gente lhe reconhece o ar cristalino, de aroma elegante, com notas cítricas misturadas com nuances florais e de frutos tropicais.

Quem o conhece profundamente sabe do seu interior: único, com carácter, vivacidade e muito mineral. Para este modo de ser, a combinação dos solos essencialmente de origem granítica, das temperaturas da terra e da protecção da influência do mar são preponderantes e formaram os traços de personalidade característicos e enraizados do território que lhe deu origem.


Origem & Descoberta


O território por excelência do Alvarinho deve ser descoberto. Mas antes de percorrer os montes e vales onde se faz grande e conhecido, conheça-o à mesa. Junte um grupo de amigos, a gastronomia - tradicional ou moderna - e convide o Alvarinho de Monção e Melgaço para jantar. Será aí que ele vai mostrar o seu melhor: uma personalidade única, capaz de harmonizar um grande encontro.

   

Visite a Origem do Alvarinho. Descubra as raízes deste vinho singular começando pelo território limitado a norte pelo Rio Minho, suba aos miradouros e perca de vista todas as serras, campos e caminhos. Conheça as Termas, as Aldeias turísticas e os monumentos que moldaram e foram moldados pela sua personalidade, tal como hoje a conhecemos.

Siga a Rota do Alvarinho de Monção e Melgaço um percurso que o vai conduzir pelos alojamentos, espaços de restauração, comércio, animação e Património Cultural e Natural, onde toda a gente trata o Alvarinho por tu.

 

Monção e Melgaço à Prova com ...


  

A alta cozinha do restaurante Largo do Paço, da Casa da Calçada, pelas mãos do Chefe Tiago Bonito, sugere neste Natal um Leite Queimado, Tangerina, Morango Fermentado e Avelã harmonizado com os Alvarinhos Espumante Dom Ponciano Extra Bruto 2014 e o Deu La Deu Premium 2015.

O mestre e cozinheiro Chefe Joaquim Almeida, do restaurante Dom Joaquim, sugere neste Natal filhós, levemente doces e com um toque de mel, acompanhadas dos vinhos Poema Reserva Alvarinho 2014 e do Espumante  Rebouça Alvarinho 2015.

  

O Chefe António Carvalho, do restaurante Brasão,  leva à mesa deste Natal um Bacalhau confitado com roupa velha acompanhado de dois grandes Alvarinhos, Dona Paterna Reserva  2015 e Vale dos Ares 2016.

O Chefe Vítor Matos, do restaurante Antiqvvm, com uma Estrela Michelin,  sugere dois Alvarinhos, Quinta do Regueiro Primitivo 2015 e Soalheiro Primeiras Vinhas 2016, para uma harmonização perfeita com o seu polvo com gelatina de pimentos, mexilhões em escabeche, creme de fígado de bacalhau e espuma de coentros.

  

O Chefe Marco Gomes, do restaurante Oficina, propõe uma ligação perfeita dos vinhos Nostalgia 10 Barricas Alvarinho 2015 e Espumante Côto de Mamoelas  Alvarinho Bruto 2014 com a sua vitela fermentada com legumes da horta e ar de citrinos.

É no restaurante Cozinha by António Loureiro que este Chefe cria um casamento único: os Alvarinhos Valados de Melgaço Reserva  2016 e Quinta das Pereirinhas Superior 2016 com Ostras e Couve-flor!

Descubra os Vinhos Verdes de Monção & Melgaço, o território de origem da casta Alvarinho!